Sobre maridos acomodados


Hoje meu papo é com você, mulher.


Você mesma que se encontra em uma situação na qual se sente, muitas vezes, desamparada.

O cenário atual envolve o seguinte: seu marido é aquele tipo de cara que não se esforça muito para surpreendê-la. Não é muito fã de surpresas, presentes, jantares românticos e etc. Ele acredita que tudo deve ser dividido meio a meio, até mesmo em ocasiões especiais.


No começo até tudo bem… Afinal, você é uma mulher moderna, independente e que tem totais condições de arcar com as próprias despesas.

Mas, com o passar do tempo, isso começa a incomodar…

Você começa a perceber que até pelos outros ele é capaz de fazer algumas coisinhas que, por você, não faria.

E aí que começa o problema.

Nós, como seres humanos dentro de um relacionamento amoroso, temos uma certa necessidade de sentir afeto, de nos sentirmos amados, especiais.

Quando essa nossa necessidade não é saciada, começamos a nos questionar se estamos vivendo algo que vale a pena.


Pois bem…

Será que vale a pena?

Será que você deixou esse homem tão mal acostumado a ponto de ser impossível resgatá-lo?

Será que é possível fazê-lo ter um olhar mais justo, realista e menos individualista da situação?


Vamos aos fatos…


Você tem um problema. Um problema que vem tem consumindo. Um problema que precisa ser corrigido, caso contrário as consequências podem ser desastrosas.

Mas sim, a boa notícia é que seu problema PODE ser resolvido, desde que esteja disposta.

Disposta a abandonar algumas atitudes e pensamentos que vêm te prejudicando.

Não dá mais para procrastinar. Não dá mais para empurrar tudo para debaixo do tapete e esperar que o tempo resolva alguma coisa.

Se quiser solução, vai ter que ir à luta. Vai ter que tomar uma atitude.


Está na hora de manifestar o seu mal-estar. Seu marido não vai entender que precisa mudar se você não manifestar sua insatisfação, de maneira sensata, sem perder o equilíbrio.

Tenha algo em mente:

A ideia de você ter concordado inicialmente com uma situação não te obriga a concordar com ela pelo resto da sua vida.

Estamos falando de duas pessoas que concordaram em construir uma vida juntas, logo, se espera que existam renúncias de ambas as partes, a fim de que o casal cresça junto.

Isso é evoluir. E não é justo que outra pessoa te impeça de evoluir.


Você tem o direito de manifestar que tentou, mas que não está dando certo.

Pensa comigo… Você tem as cartas à seu favor.

Você, durante todo esse tempo, se submeteu a uma situação desconfortável, tudo pensando no bem estar do casal.

Ou seja… Você está com moral!

Você, mesmo insatisfeita, fez de tudo para manter a calma e respeitar os desejos de seu marido.

Chegou a hora de inverter o jogo.

Chegou a hora dele se preocupar com o seu bem estar, da mesma maneira que você se preocupa com o dele.

Isso é justo, e deveria ser básico em qualquer relacionamento.


Analise os pontos que pesam a seu favor. Saiba jogar com a vantagem.

Pense numa nova proposta, dessa vez mais adequada ao momento do casal.

Formule seus argumentos e saiba negociar.

Demonstre o peso das suas ações dentro de casa.

Certo, seu marido quer que as despesas sejam divididas no 50/50. Mas e dentro de casa?

Qual tem sido a proporção de divisão do trabalho?

Ele te ajuda com a louça? As roupas? A lição de casa dos filhos?

Ou ele é do tipo que se sente confortável com o fato de estar provendo financeiramente e, a partir daí, se ausenta das tarefas domésticas?

Cuidar da casa, da família e do bem estar geral também deve ser obrigação dele. Se ele estiver devendo em relação a isso, eis mais um fator que pesa a seu favor.


Reflita sobre todos esses pontos, sobre todas as vezes em que você sacrificou em prol da família, veja se a contrapartida dele tem sido equivalente à seu esforço.

Após essa reflexão, faça uma lista.

Nela, numere todos os pontos nos quais se sente injustiçada.

A partir daí, bole uma estratégia para expor suas vontades de modo que não o assuste e não o obrigue a partir para defensiva e entrar em modo de negação.

Não queremos assustá-lo ou irritá-lo, mas sim, despertá-lo para uma nova realidade.

Uma realidade na qual você não aguenta mais a sensação de injustiça e relapso da parte dele.


É possível, sim, transformar sua vida e seu relacionamento de modo a atender às novas necessidades e expectativas do casal.

Estamos em evolução constante e essa evolução reflete, também, em nossos relacionamentos.

Não seja refém do passado. Não aceite uma situação, de certa forma, abusiva, só porque concordou com isso anos atrás.

Você mudou. E se seu marido não quiser mudar com você…

Quem está errado é ele.

Consciência limpa e bola para frente!

Você é capaz!



Texto: Otávio M.

231 visualizações
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube

11 99117-6659

©2020 por Cris Monteiro.