Buscar
  • Cris Monteiro

Meu parceiro não me procura para fazer sexo

Atualizado: Abr 13


Ilustração: Dailymail UK


A questão do sexo dentro de um relacionamento sempre pode ser um pouco polêmica.

Enquanto uns transam demais, outros transam pouco, tem também os que transam só pelo próprio prazer, e finalmente os que não transam nunca.

Digo que o assunto é delicado e polêmico porque, a frequência do sexo na vida íntima de um casal pode não significar muita coisa, vai de como você criou essa dinâmica íntima da sua relação.


Enquanto alguns casais estão bem transando pouco, outros tem a necessidade de fazer sexo com bastante frequência, e se você me perguntar, não existe o certo ou errado.

O quanto a frequência sexual é importante na vida de um casal depende inteiramente deles e da intimidade que construíram juntos durante todos esses anos.


Agora, e quando um casal que costumava ter uma vida sexual satisfatória passa a ter problemas nesse quesito? Logo uma das partes sente a falta daquele contato íntimo e especial, do momento que era só de vocês. Vem aquela sensação de rejeição, insatisfação.

Ai sim, vamos precisar conversar.


Muitas vezes pela rotina corrida, pela chegada dos filhos, estresse, trabalho ou que seja, imprevistos podem vir a afetar a vida íntima de um casal. É de se esperar que as vezes no meio da correria, algumas mudanças hormonais ocorram juntamente com o cansaço do dia-a-dia e a intensidade do desejo íntimo fique ali, na preguiça.


Como lidar se meu parceiro já não me procura mais pra sexo?

Poxa, parece até que já não existe mais tesão. Você se sente feia, indesejada, excluída e muito distante do seu parceiro. Cá estamos nós, anos a fio em uma relação, filhos lindos, uma casa arrumada, e de repente algo parece mudar. Não há mais procura do íntimo, daquela sexualidade que alimenta a chama da paixão dentro de um casamento.


Alguns dias atrás, o relato de uma das seguidoras do canal chamou minha atenção.

Nele, um relato de um fato muito mais comum do que se pensa.


Ela disse:

“ Cris, meu marido sempre foi mais ativo que eu, sempre me procurou incansavelmente. Eu sempre fui mais relaxada enquanto a questão do sexo, as vezes tinha vontade e as vezes não, mas raramente tomava a iniciativa. Mesmo assim, amava transar com ele. Tivemos uma filha há alguns anos e desde que ela nasceu, algo mudou. Sinto que ele se afastou de mim. Nossa intimidade está péssima, já não temos mais sintonia nenhuma e parece que ele não tem prazer em transar comigo. O que fazer? “


Um grande problema quando uma eventualidade assim acontece é que ninguém se preocupa muito com o diálogo, ou às vezes a parte que está distante não sabe como trabalhar esse bloqueio e afastamento que está ocorrendo.


O primeiro passo é conversar e compreender os possíveis motivos que podem estar causando essa situação, sendo sempre paciente e aceitando a realidade que te cerca. Falo de aceitar a realidade, porque entendo também que existem fatores como idade e hormônios que podem ocasionar na falta da libido no geral. Por mais que estejamos muito acostumados a ter uma vida sexual ativa e vívida, com o tempo, biologicamente as coisas tendem a mudar, e é preciso aceitar esta realidade e trabalhar em volta dela para encontrar a melhor resolução.


Do mais, a falta de sexo também pode vir sim de alguma questão relacionada ao tesão.

Em um relacionamento é preciso sempre estar se inovando no íntimo de um casal. Isso porque nós humanos precisamos daquela adrenalina e aventura em nossas vidas, coisas que cativam a nossa atenção e deixem tudo mais interessante. O que quero dizer é que com o tempo, as coisas podem ficar muito na mesmice. Como ninguém toma a iniciativa de fazer diferente, uma das partes de um relacionamento pode começar a se distanciar e procura outros meios de concretizar seus desejos, seja com outras pessoas ou ate usar a masturbação para esse propósito.


Anota aí, é preciso conversar sobre sexo. - Sempre.

Só assim para conseguirmos estar sempre entendidos e conectados quanto a isso.


Então como entrar em contato com o íntimo de alguém que aparentemente já não se interessa?

Só tem um jeito: é preciso buscar fortalecer a cumplicidade com seu parceiro.

Entender a vida no geral e a vida sexual dessa pessoa melhor, quais foram as experiências sexuais dela, o que a faz ter tesão, o que a estimula e pelo que ela se interessa.

Descobrir sobre estas experiências, para que você compreenda melhor como funciona o íntimo do nosso parceiro. Afinal, quem conhece teus desejos mais íntimos, te conhece como ninguém.


Uma vez melhor entendidos sobre os desejos do outro, vocês vão precisar trabalhar quais destes mesmo interessam a ambos, quais acham interessante mas não praticam, quais passam dos limites e executem. Executem e inovem tudo que for possível dentro dessa nova percepção. Tente concretizar de alguma maneira esse sonho erótico de quem você ama, conquiste de novo a sensação de que entre tudo que ele gostaria de fazer, é com você que ele pode concretizar.

Vocês vão abrir uma porta para uma intimidade muito mais forte entre vocês. O desejo e a procura também vão mudar para melhor, porque entendemos que podemos concretizar esse desejo na pessoa que está ao nosso lado. Volta-se o interesse.


Veja, os desejos tem grande relação em como anda nosso íntimo.

Entender os desejos do outro, mesmo que você não pratique, faz vocês se aproximarem e lidarem melhor com esse distanciamento logo de cara.


Aproveitem a oportunidade de melhorar a cumplicidade que a resolução de uma situação como essa pode fornecer a vocês. Crie coragem para sair da caixa e converse sobre o que passa na sua cabeça e na do outro. Converse sobre o que vocês gostam hoje em dia, o que mudou, o que não gostam. Sejam cúmplices, e sejam devotados um ao outro em querer fazer com que as coisas voltem a ser como eram. Aceitem a possibilidade de novas aventuras, e tenham paciência e empatia na hora de compreender e negociar esses termos.


Texto adaptado por: Rafaella P.

Conteúdo original: Cris Monteiro (Youtube)


139 visualizações
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube

11 99117-6659

©2020 por Cris Monteiro.