Compensação por faltas e traumas de uma traição - relato de caso

Atualizado: Set 15



Em 2008, um casal prestes a se conhecer, mudaria um pouco a minha história como terapeuta.


Sara conheceu Enzo logo ao fim de 2008, eles se interessaram de cara um pelo outro. Apaixonados e determinados a ficarem juntos, Sara ficou ao lado de Enzo enquanto ele terminava o processo de divórcio do seu primeiro casamento, de onde já tinha 2 filhos. Mesmo não sendo um período fácil, ambos se esforçaram e passaram juntos por essa situação.

Após dois anos juntos, casaram-se em uma cerimônia linda, o casamento dos sonhos. Até então, na fase da Lua de mel, tudo estava ótimo, com muito amor e dedicação, e alguns anos depois, Sara deu a luz ao primeiro filho do casal, ambos não poderiam estar mais felizes com o início da família.


Como a vida de qualquer um, desavenças acontecem, no ano seguinte do nascimento do primeiro filho, e já grávidos do segundo, a vida do casal foi marcado pelo adoecimento da mãe de Enzo. Foi um momento difícil para todos, principalmente para ele, que cuidou da mãe com dedicação até o fim. Mesmo quando o segundo filho deles nasceu, Enzo ainda estava abalado com a morte de sua mãe. Após a ida dela, ele perdeu sua fé em Deus e começou a ter diferenças notáveis no seu comportamento. Já não tinha o mesmo brilho de antes, e agora tinha ficado mais desanimado, rabugento. Sua situação financeira também sofreu um belo baque. Ele ficou irreconhecível.


Diante dos acontecimentos, começou a afastar Sara de sua vida, se tornando mais recluso e frio. Ela, em meio a toda essa situação, decidiu segurar a barra pela família, começou a trabalhar muito mais e a se dedicar a compensar com seu trabalho, o rombo financeiro do marido.

“ eu estava correndo atrás do meu trabalho de bater metas para ganhar comissão e aumentar a renda para ajudar ainda mais na casa.“

Com a barra financeira segurada, Sara começou a cuidar de todas as questões que envolviam a família, a casa, o financeiro… Logo já não tinha mais disposição como antes para outras coisas. Enzo, cada vez mais afastado, acabou decidindo por sair por ai, reencontrar velhos amigos.


Foi apenas no começo do ano de 2020 que Sara descobriu a traição. Ela já tinha se questionado se ele teria outra, mas nunca acreditou que de fato ele fosse capaz disso. A amante dele chegou a ligar para Sara e contar de todo caso que tinha com o marido dela. Só que já foi traído sabe o baque que ela levou. E ele? Bom, estava arrependido e querendo lutar para manter seu casamento, então me procurou.


Era noite quando marcamos para o dia seguinte um encontro presencial, de cinco horas, às pressas. Percebi as marcas da dor da decepção no olhar da Sa, logo de cara.

Ela acreditou que seria o mesmo bom homem até o fim da vida. Juntinhos para sempre.

Já Enzo surpreendeu desde o início, o casamento fazia jus ao cenário “conto de fadas” idealizado por Sara e contava até com carruagem.

Mas um dia o príncipe virou um sapo, protagonista da traição , um punhal fincado nas costas da linda princesa Sara.

De princesa a gata borralheira… o sonho virou pesadelo.

Ainda apegada a possibilidade de preservar o sonho, Sara relutou com garra e determinação.

Uma verdadeira guerreira…


Enzo decaiu quando a mãe morreu, passou por um período de crise existencial e financeira nos negócios, período de vacas magras já que os negócios beiravam a decadência.

Naquele período de 2 anos, Sara se responsabilizou por todas as despesas da família, gastos com educação dos filhos, alimentação, plano de saúde, festinhas de aniversário, condomínio, contas de luz , água e tel , alem das prestações do carro e do apartamento. Isso lhe custava horas extras no trabalho, renuncia da convivência com os filhos, horas mal dormidas, maus hábitos alimentares, ganho de peso, entre outras deficiências oriundas de um período de excessos e sobrecarga.


Sara descobre que, enquanto se esmerara em suprir o papel de Enzo como provedor, o mesmo a traíra, patrocinando seu prazer singular em motéis e jantares com a amante ao invés de arcar com as despesas da família. Isso mesmo, acreditem, Enzo manteve uma relação extraconjugal durante 2 anos.


Não há nada que possa apagar o sentimento de ser traída numa parceria que parecia ser verdadeira. As marcas poderão ser cicatrizadas… o tempo dirá se as novas atitudes de Enzo valerão a pena, afim de justificar o perdão de Sara.


Será preciso atravessar as barreiras fincadas durante um período prejudicado. Este período é responsável pela atrofia emocional e limitante.


Sara e Enzo têm filhos, e por eles, decidiram ouvir a minha opinião.


Minha proposta para a casal foi a seguinte:

Sara, só vai justificar dar uma chance para o Enzo se a família toda ganhar com isto.

Vejo imperfeições fincadas na relação profissional de Enzo. O momento pede mudanças e, até hoje, o casamento deles sofreu com as consequências do mau relacionamento de Enzo com os sócios de sua empresa familiar.

A má gestão respingou no lar do casal, consequência disto é o nome sujo de Sara na praça.

Sara teve seu nome negativado, decorrente do não pagamento das dívidas que Enzo assumiu em benefício da empresa.


Levando tudo em consideração, o acordo que propus para eles:

  1. Enzo recebeu uma herança, e agora deve devolver o valor investido por Sara, no período da crise.

  2. Deve também, limpar o nome da Sara, quitando a dívida que ele mesmo criou no nome dela.

  3. Como forma de indenização deve pagar o que deve, sua parte nas despesas nos 2 anos de crise, além de também assumir a parte de Sara (ou seja, o valor total gasto no período de 2 anos)

  4. Indenizar Sara com mais um valor referente às perdas que ela sofreu, oriundas das noites mal dormidas e excesso de horas no trabalho.

  5. A partir de agora, Enzo assumirá total responsabilidade pelo financeiro da família. Todas as contas provenientes da casa, dos filhos, da Sara... E de forma vitalícia.

  6. A cultura que Enzo propunha, a preservação do modelo familiar dos pais dele, não deverão servir mais como referência pois não funcionou. A partir de hoje, a sugestão do novo formato partira da Sara, com mais autonomia nas decisões familiares e financeiras

  7. Nova rotina, reprogramação da dinâmica familiar


Enfim, Sara se sentiu compreendida, aceitou o acordo e ficou satisfeita com a proposta de acerto de contas e ressignificação de interesses. Seguirá fazendo sessões individuais para se superar das mágoas, trauma e recuperar a auto estima. Já Enzo, entendeu que o acordo substitui a punição e dá lugar a uma nova chance, democrática , onde não se obtém vantagens em detrimento dos filhos e da esposa.


Os convidei para uma fase de reconhecimento dos erros e correção das imperfeições.

O resultado disso reflete na união e estabilidade da família, onde todos os personagens envolvidos se comprometem com a preservação da lealdade, consideração e honestidade.

Um lar democrático, com esforços equivalentes e mais humano.


Apesar de tudo, eu insisto afirmar que quem ama não desiste, e que reparar o improvável, torna a minha vida ainda mais interessante.


Obs: No final do processo, Enzo tatuou o nome de Sara.

Deixo bem claro aqui que isto não impactará na possível expectativa de diminuição do valor total, no acerto de contas do acordo, e muito menos na amortização da indenização. Barganha ou não, sob o meu olhar, essa tatuagem não tem valor algum e sim consequência de uma nova imperfeição a ser reparada.

Sa, ofereço essa música a você: "malandragem", da Cássia Eller.

Seja feliz e tenha sempre uma coisa na sua vida: um pouco de malandragem, malícia ;)

Viva e brilhe, pela estabilidade dos filhos, mas tenha o seu tempo pra cantar e encantar.


Cris Monteiro



69 visualizações
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube

11 99117-6659

©2020 por Cris Monteiro.