Amor próprio

Atualizado: Mar 4


"Está na hora de pensar mais em mim."


Guarde essas palavras. Elas podem ser libertadoras.


Você já se sentiu depreciado(a)?

Sabe aquela sensação ruim quando parece que nada que você faz é suficiente?

Você se empenha, se esforça para entregar o seu melhor…

E o que recebe em troca? Elogios? Que nada!

Críticas e mais críticas… Uma verdadeira chuva de desaprovações e comentários negativos.


Em meio a tanta censura e julgamentos, pode ser que em algum momento você tenha desistido... Desistido das suas vontades, seus desejos, seus sonhos e até mesmo de suas próprias opiniões.

Afinal, sua jornada até agora tem sido tão cheia de criticismo e tão pouco gratificante que você já não faz mais questão de nada.

Nem mesmo de sua comida favorita, ou seu filme predileto, ou sua banda preferida…

Parece que nada disso causa mais aquele impacto que causava ou traz aquela sensação boa que trazia.

Seu mundo anda tão sem graça…

E eu vou te falar o porque.


Em algum momento, você deixou de lado seu amor próprio.

E são as consequências deste erro, especificamente, que vem tem assombrando de uns tempos para cá.


Ao ter sua espontaneidade sempre renegada e crucificada, você acaba criando um sistema de autodefesa que, no longo prazo, vai te privando de ser feliz…

Por ter suas opiniões sempre criticadas ou desmerecidas, você acaba perdendo um pouco da sensação de importância.

"De que adianta falar, se ninguém me leva a sério mesmo?"

Tal pensamento é extremamente tóxico, uma vez que o torna mais suscetível a aceitar imposições alheias.


E é justamente esse cenário que faz com que um número expressivo de pessoas se mantenha em um relacionamento desequilibrado, em uma relação que não é saudável.

Seja por falta de coragem para se impor, por medo, ou até mesmo por comodidade.


A grande verdade é que se você não se amar, ninguém mais vai…


Felizmente, tenho algumas dicas e truques para você que vem duvidando da sua capacidade de se amar.

Vamos restaurar sua auto-estima e quebrar alguns tabus desnecessários que podem ter sido implantados na sua cabeça!


Resgate velhos hábitos. Velhas paixões, hobbies, atividades…

Resgate sua essência.


Reflita: "Antes disso tudo acontecer, antes de minha vida estar essa bagunça toda que está hoje, quem eu era? O que eu gostava de fazer? O que me fazia bem?"


Esse exercício é muito importante, pois lhe trará a convicção de que você ERA uma pessoa feliz, antes desse intervalo atual.

Ou seja… Você não depende do seu relacionamento atual para ter felicidade.

E não é nem justo que dependa.


Em uma relação saudável, ambas as partes envolvidas sabem que não podem depender uma da outra para serem felizes.

Lembre-se!

Busque outras fontes de alegria, afinal, a vida não se resume ao seu casamento, namoro ou etc.


Além disso, tenha coragem de tomar atitudes por vontade própria e não apenas para agradar o próximo.

Pode até ser legal a ideia de ser aquele tipo de pessoa altruísta, que faz de tudo pelo bem geral.

Mas… Cuidado!

Excesso de altruísmo pode acabar sendo uma cilada, uma vez que passa ao outro a impressão de que talvez seja "ok" abusar de você…


Com isso em mente, foco! Você tem totais condições de mudar esse cenário, e quando achar que não, pare e pense:


"Antes de tudo isso, eu estava bem.

O que mudou?

Talvez algumas coisas, mas minha capacidade ainda é a mesma.

Eu consigo, eu sou capaz, eu sou suficiente.

Não dependo de ninguém, além de mim mesmo, para ser feliz."


Ilustração: Pinterest

64 visualizações
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube

11 99117-6659

©2020 por Cris Monteiro.