A vontade brota do propósito de vida


Faz doze anos que saí de casa para ajudar meu estimado marido em sua peregrinação.


Aquela "Cris mãe" que se dedicava à educação dos filhos, 100% do seu tempo, nunca mais voltou.


Continuei a peregrinação sozinha, meu marido não voltou comigo.

Me despedi dele e prometi que faria a minha parte aqui com vocês.


Mas, para fazer minha parte e encaminhar meus filhos, precisava me preparar ainda mais...

Eu não tinha base familiar estruturada, construía a minha ao lado de um bom homem que partiu.


Parte da base construí com ele.

Valores que escolhi para mim...

Um homem íntegro, honesto, verdadeiro, leal, correto, fiel, cavalheiro, generoso, estudioso, bom filho, bom pai, trabalhador, esportista, o marido e pai ideal...


Escolha que fiz motivada para ter paz no meu lar, coisa que jamais tive quando vivi com meus pais.


A escolha pelo pai dos meus filhos se baseou na pretensão de construir um lar de verdade.

Sacrifiquei outros interesses pela escolha que fiz, arrisquei e paguei o preço de ter casado com um homem bem mais velho que eu, prova disto foi ficar viúva tão nova.


Saí daquele hospital sozinha, com a missão de continuar a obra que começamos.

Só que sem referência nenhuma desta vez...

Voltei à estaca zero, com alguns recursos.

A minha referência havia partido.

O que haveria, então, de fazer com alguns recursos?


Fui atrás de novas referências, encontrei muitas delas...

Mas a maioria não era verdadeira, eram falsos profetas.


Cresci como mulher e aprendi muitas coisas com a vida que escolhi para mim.

Treinei e treinei...


Uma vida de muito aprendizado.

Minha escolha revolucionou a história da mulher, tanto na minha família, como na família do meu estimado marido.

Aprendi o que elas jamais se arriscariam a aprender.

Houve represálias, repulsas...

Jamais poderiam compreender o que nunca conheceram.


Continuo a obra e continuo a preservá-la.

O modelo ficou pronto.

Meus filhos usufruem dele e espero que o propaguem pois custou muito para todos nós.

Uma herança que poucos conhecem e que milhares buscam aprender comigo em consulta.


A consolidação está pronta e, agora, meu Instituto propaga esperança.

Estabilidade essa que também dependerá de sacrifícios, esforços e obediência ao foco para ser preservada.


Podemos escolher entre as distrações da vida, ou o foco e, com este propósito, decidir se faremos uso do conhecimento.

Todo mundo precisa de um mestre, ou de mestres.

Mas, todo mestre precisa do comprometimento daqueles que escolhem segui-lo.


Pergunte-se diariamente:


Quem quero ser?

O que quero ter?

O que vou fazer com meu estudo ou trabalho?

O que vou fazer com o que meu mestre ou mestra tem a me oferecer? Aprendizado ou trabalho?

Que distrações merecem ser abandonadas?


Espero que pensem mais em vocês mesmas(os) daqui para frente,

com seriedade, comprometimento e honestidade.

Sempre em busca de um propósito e sucesso.


Afinal, a vontade brota do propósito de vida!


Texto: Cris Monteiro


318 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo